16 de out de 2012

Capítulo VI de Another Note: The BB Case Los Angeles


Falha
22 de Agosto.
Ainda que Misora e Luxaky houvessem resolvido o enigma do tempo, 6h15min50s, não sabe se é AM ou PM. Procurou a terceira vítima, mas não conseguiu encontrar o tempo exato. O rapaz diz que já que tem a maior parte das informações, o resto não importa.
Passam a tentar descobrir se há alguma pista do local em que possa acontecer o quarto assassinato. Luxaky descobre primeiro, usando o numero 061550 no MLS6, descobrindo o condomínio residencial em Pasadena7.  O complexo tem aproximadamente 200 apartamentos, e no número 1313 há uma mulher chamada Blackberry Brown.
1313 e BB.
Porém Luxaky não se sente contente com a informação, sabendo que há outro BB no mesmo condomínio. No apartamento de número 404, habita um só homem chamado Bruce Babysplit.
Misora faz as contas, e não se surpreende em constatar que em um condomínio com 200 apartamentos, com 400 a 500 habitantes havia apenas duas pessoas com as iniciais BB.
A agente acredita que a vitima seguinte estará no apartamento 1313, mas Luxaky contesta. Misora explica que mesmo que haja o apartamento 404, e 4 = 1+3; o assassinato ocorrerá no de número 13 (o que significa má sorte para os dois). Porém, o rapaz novamente diz não estar de acordo, e retorna a seqüência numérica dos dias: 9, 4, 9, 9. Há um sistema de 9+4(13), assim que o 404 – ignorando o zero, completa a seqüência de 13 dias.
A partir de tal ponto de vista, a mulher flexiona, passando a duvidar que possa ser o quarto 404 o correto.
Não conseguem chegar a uma conclusão juntos, e Luxaky sugere que devem se dividir.
Cada qual terá que observar um quarto: Naomi Misora o de número 1313, e Luxaky o de número 404.
Luxaky propõe que durante os dias seguintes, passem a habitar os apartamentos até que encontrem os donos. Porém, não dirão aos demais habitantes para não criar pânico.
Misora pergunta se não é melhor que saibam a verdade, mas o rapaz diz que o mais importante é viver.
Pagaram aos inquilinos de ambos os apartamentos – Misora usando o dinheiro enviado por L, e Luxaky de seu suposto patrão - colocando-os em um luxuoso hotel.
A agente diz querer a ajuda da polícia, mas o rapaz se nega, alegando que está 99% seguro de que terão que atuar por eles mesmos. Ela ainda pensa em pedir ajuda a Raye, mas decide rapidamente que não é necessário.
Ela diz que Luxaky pode não ter um físico para enfrentar o assassino, mas o próprio diz ter força o suficiente, e que ela não se preocupe, pois estará bem.
“E acredito que a senhorita também estará bem, já que tem habilidades com a capoeira.”
Pergunta se ela poderá utilizar uma arma, mas Naomi diz que não, e que também não possui uma. Luxaky diz que tem uma arma, e pede que ela a pegue.
Ela deve usá-la.
Naomi Misora permanece uma noite em um hotel do lado Oeste, falando com L e recebendo uma quantia em dinheiro. L diz a ela que está contando com seus serviços, e pede que prenda o culpado. Ele enviará uma equipe ao redor da área, dando segurança a ela.
O contato termina um pouco mais da meia-noite do dia 21 de Agosto.
A agente tenta dormir, porém, vem em sua mente – quando disse a Luxaky sobre suas habilidades com a capoeira?
Mello introduz um pouco mais sobre Beyond Birthday e seus naturais olhos de shinigami.
Ninguém sabe como os conseguiu. Não foi através de um deus da morte ignorante, que deixou cair seu Death Note, e dificilmente, um que tenha deixado cair seu globo ocular (são reflexões de Mello). Ele também nota que se for trocado B por 13, 13 é a carta da morte em um baralho de tarô.
A seguir, Mello descreve porque Naomi Misora estava de licença, e porque relutou em aceitar a arma de Luxaky. A razão é devido a um erro cometido em uma investigação de drogas, na qual ela e sua equipe estavam trabalhando arduamente por meses. Ainda que Misora não necessitasse carregar uma arma, havia sido orientada a empunhar uma. E quando chegou o momento da apreensão, ela não conseguiu atirar em um garoto de 13 anos, indiciado como um dos culpados. Ao final, o caso acabou falhando, e Naomi acabou dando um tempo em seu trabalho.
E ela tão pouco sabia o porquê de não resolver o caso. Relembrou o rosto do garoto e associou com algo assombroso; e a certeza de que ele era um dos traficantes.
Passa a se perguntar o que aconteceria se o caso BB tivesse como assassino um garoto.
Quarto 1313.
O apartamento de Blackberry Brown é um ambiente um quanto tanto que normal, porém, a agente se assegura que a arma esteja engatilhada. Luxaky está nove andares abaixo, no quarto 404, e ela sente-se preocupada por ele (por parecer um rapaz franzino); mas logo muda de idéia, pois tem a plena certeza de que o tal B virá ao 1313 para atacá-la – já que está trabalhando com L.
Olha o relógio digital na parede, 9 horas AM.
Mínimos 15 horas a mais, e ela não pode sequer comer, dormir ou utilizar o banheiro – tem que estar em ataque.
Liga para L e diz que nada ocorreu até agora. Ele recorda que há reforços nos andares, e há dois deles no piso em que ela está. E se surpreende ao saber que um é ladrão, e o outro falsário, e que ambos estão observando o quarto (O mais provável que sejam Wedy e Aiber). Quando L está para desligar, Misora pergunta rapidamente:
“Você conhece o B, não é?”
A mulher chegou a essa conclusão devido às letras de seus nomes, e o pedido exagerado de L para prender o assassino a todo custo. O detetive admite que conhece B, e ainda pede que ela guarde isso como um grande segredo.
Nenhuma autoridade sabe sobre esta conexão e nunca fora algo para Naomi Misora descobrir. Ele também admite que mesmo não conhecendo o assassino diretamente, sabe sobre ele, e que não pode perdoar nenhum assassino – já que seu único interesse é a justiça. A mulher parece entender, e diz que voltará a esperar.
Neste momento, a agente decide voltar ao FBI.
Naomi Misora senta-se do modo singular de Luxaky, e repassa cada detalhe do caso em sua mente. QQ, BB, as mensagens, como Quarter Queen era provavelmente a única QQ em Los Angeles, o desafio, etc. E no mesmo instante, percebe que em todo o caso havia sido uma marionete nas mãos de Luxaky.
Grita em frustração e dispara em direção ao corredor, empunhando a arma. Desce correndo pelas escadas (pulando de 3 a 4 degraus).
Quando comprova estar no quarto andar, procura exasperada o quarto 414 que está a sua direita; uma mulher grita ao ver a arma na mão de Misora – a agente sequer se intimida, e corre a porta de número 404.
Naomi entra no apartamento, e começa a chamar Luxaky. O apartamento possui três portas, e uma delas está travada com um cadeado (a mulher utiliza a sua arma para arrombá-lo), com o ombro destrava a madeira, e o primeiro que vê é o boneco de palha, e logo depois; o corpo de alguém em chamas - Luxaky Lee.
Sente o odor de gasolina em todo o ambiente, e vê que os controladores de incêndio estão destruídos juntamente com o detector de fumaça. Corre até o corredor em busca de um extintor, mas é com uma capa branca que controla o incêndio.
A mulher grita por Luxaky – acreditando que ele está morto, mas escuta o rapaz fazer alguns ruídos. Ele está vivo. A mulher que havia se assustado ao ver a arma, vem até a porta e pergunta se está tudo bem. Naomi responde que é do FBI, e que ela chame a polícia/corpo de bombeiros/ambulância. A mulher não faz nada além de observar.
Percebe então que é uma ajudante enviada por L.
Cuidadosamente, se dirige a Luxaky para checar o pulso. Constata o quão débil esta, e que não há tempo para perder. Põe as algemas no corpo frágil, e diz com toda a clareza:
“O culpado do caso do assassino em série de Los Angeles; BB/Beyond Birthday/Luxaky Luee foi preso.”  


Nenhum comentário:

Postar um comentário

http://static.tumblr.com/xpo2exu/BA1n2ccke/cred.png